Kmaleon Entrevista Econodata: “É o momento de olhar para dentro!” Por que a Quarentena pode ser uma oportunidade? – com Paulo Krieser

É preciso olhar para as adversidades da quarentena com outros olhos e encará-las como oportunidades. Por mais difícil que seja passar pelo o que estamos vivendo, precisamos lidar com foco e sempre pensar em melhorias contínuas.

Pense da seguinte forma, a situação pela qual você está passando atualmente, também tem sido enfrentada pelos seus concorrentes.

Porém, o que você está fazendo de diferente?

Paulo Krieser (CEO da Econodata), em entrevista para o Guto Oliveira – Head de Marketing da Kmaleon – falou sobre o seu ponto de vista de produtividade do tempo ocioso no período de quarentena.

Sabemos que os insumos necessários na crise da pandemia do COVID-19 são remédios, artigos de higiene pessoal e alimentos para consumo dentro de casa.

Como ficam as empresas que não participam desses setores?

O impacto nas vendas pode gerar momentos de calmaria na equipe, por isso, esse é o momento ideal para que as empresas revisem os seus processos internos e contrate ferramentas que vão ajudar a potencializar o resultado quando as atividades voltarem ao normal.

“[…] Agora é o momento que você tem de testar e implementar tecnologias novas como parte do seu processo. Muitas empresas estão com tempo disponível e por isso, agora é uma ótima oportunidade é pensar em possíveis ferramentas para melhorar a sua estrutura interna.”

Paulo Krieser – CEO Econodata

Veja a Entrevista Completa a seguir:

Guto Oliveira

Qual é a sua leitura sobre o trabalho Home Office e quais os desafios para se adotar a essa Prática como Cultura?

Paulo Krieser

O home office tem uma série de desafios, que agora estamos sentindo na pele. O primeiro deles é a comunicação que fica mais prejudicada. Quando você está no local, presencialmente, é muito fácil começar uma conversa.

No home office, você tem que entrar no Slack, ou fazer uma vídeoconferência, ou seja, você tem que tomar uma ação para conseguir se comunicar. Além disso, as pessoas acabam muitas vezes ficando mais fechadas.

Então eu acredito que o principal ponto agora é a comunicação. Ela nunca é igual numa teleconferência quanto presencialmente, que você sente a energia das pessoas. Outro ponto é a disciplina, ou seja, saber trabalhar em home office.

Acredito que seja difícil para algumas pessoas, talvez algumas não estejam tão preparadas para essa prática e tenham mais dificuldade em manter a disciplina de horários, de chegada e saída.

E também, se manter no posto de atividades – na frente do computador – durante todo o período de trabalho, cumprindo todas as horas necessárias. Então eu acredito que esse seja um desafio importante que as pessoas consigam enxergar que aquele horário é prestação de serviço.

É como se elas estivessem no escritório, só que neste caso, elas estão executando as suas atividades de casa. E também, tentar se isolar dentro de casa, para não ter interferências externas.

Guto Oliveira

Como que a empresa Econodata está trabalhando remotamente a proximidade dos seus Funcionários? Basicamente, como vocês estão estimulando a colaboração e comunicação entre as pessoas do time?

Paulo Krieser

Manter uma boa comunicação é fundamental, principalmente porque nós não estamos enxergando uns aos outros trabalhando em casa.

Por isso, estamos usando o Slack para conversar via chat. A ferramenta permite criar alguns canais para as áreas, como o de Vendas, Marketing, Administrativo e CS (Customer Success).

Outro ponto é a vídeoconferência, que fazemos via Google Hangouts. Essa ferramenta é fundamental para nos comunicarmos por vídeo e transmitir informações entre os colaboradores.

Além disso, é importante ressaltar que nós também mantivemos os nossos rituais. Nós temos uma reunião que é realizada todos os dias às 14h45, o nosso daily scrum. São 15 minutos de reunião em que cada colaborador fala o que fez no dia e o que vai fazer no dia seguinte.

Estamos mantendo esse ritual via Hangouts e todas as nossas reuniões foram mantidas. Toda segunda-feira nós temos uma reunião com o time de vendas e marketing para acompanhar as demandas da semana.

Temos o sprint de marketing e a reunião de vendas mensal onde as metas são definidas. Todos as reuniões que já executávamos no presencial foram mantidas para que as pessoas possam realizar uma comunicação eficiente.

Guto Oliveira


Como vocês estão acompanhando o progresso das demandas?

Paulo Krieser

Nós temos diversas ferramentas para acompanhamento de projetos, aplicações e demandas. Uma delas é o Trello onde acompanhamos o que está sendo feito através dos cards.

Também temos alguns documentos no Google Drive que acompanhamos em tempo real o que está sendo feito e quais as reuniões que foram realizadas.  

Guto Oliveira

E quais tecnologias estão ajudando a Econodata no desenvolvimento dessas atividades?
O que você recomendaria para quem está buscando superar atingir ou superar as metas de venda, mesmo em momentos como os que estamos vivendo?

Paulo Krieser

A principal ferramenta que estamos usando é o Slack para comunicação de texto e canais de equipes (vendas, marketing, CS, etc). O Google Hangouts tem nos ajudado a fazer videoconferências para que os times consigam conversar e se enxergar.

Acho muito importante a comunicação via vídeo para que a gente consiga ter o máximo de proximidade nesse momento de trabalho remoto.

Além disso, todos os softwares que usamos, inclusive o próprio Econodata, são integrados a nuvem. Inclusive eu sugiro que todas as tecnologias para o trabalho remoto tenham essa mesma integração.

Outro ponto fundamental é que agora é o momento que você tem de testar e implementar tecnologias novas como parte do seu processo. Muitas empresas estão com tempo disponível e por isso, agora é uma ótima oportunidade de pensar em possíveis ferramentas para melhorar a sua estrutura interna.

Por exemplo, se você quer otimizar o relacionamento com o seu cliente, você pode usar um CRM – que é uma ferramenta super importante de venda para acompanhar todos os momentosem que o usuário teve com a sua marca – esse pode ser o momento ideal.

É uma ferramenta básica que eu recomendo para quem está buscando superar as metas de venda.

** O CRM é um Software que facilita a sua Gestão de Relacionamento com o Cliente. Com ele você acompanha as suas vendas em tempo real, estabelece metas e cria Dashboards que permitem analisar o quão longe você está do resultado esperado.

Entenda o poder do CRM no seu negócio neste outro conteúdo!

Outra ferramenta que eu sugiro é um software de automação de marketing, para entregar a informação certa para o usuário certo, de acordo com o desafio dele.

Fazer o famoso Inbound Marketing, automatizar as comunicações com os seus leads e também, implementar integrações com os softwares de CRM.

** O software de Automação de Marketing ajudará você a atingir em grande escala clientes potenciais e de forma personalizada. Com essa ferramenta você pode criar rotinas de relacionamento com a sua base de leads e prospects potenciais de forma pragmática.

Entenda o poder da Automação de Marketing no seu negócio neste outro conteúdo!

Temos, por exemplo, as ferramentas da Resultados Digitais – RD Station Marketing e RD Station CRM – e a Pipz que podem ajudar muito no seu desafio. Outra tecnologia que pode te ajudar são os softwares de prospecção de vendas, como o caso da Econodata.

A nossa proposta é ajudar as empresas a prospectarem novos clientes em momentos de crise.

Além disso, eu acredito que tem setores, nichos e segmentos específicos que podem sim ser explorados nesse momento. Ao aproveitar as oportunidades, você pode fazer uma prospecção com um grau de assertividade muito maior.

Segmentos farmacêuticos e setores alimentícios de supermercados são negócios que não param. Isso porque, eles precisam suportar o consumo da sociedade para que a gente consiga resistir a esse momento de crise.

Ao procurar alguns setores e segmentos, conseguimos sim prospectá-los e manter ou até mesmo melhorar os resultados.

Guto Oliveira

Mesmo em um ambiente bem diferente do normal, como você interpreta a atenção com a experiência do cliente?

Paulo Krieser

Os nossos clientes continuam utilizando a plataforma, mas em uma quantidade menor ou com menos intensidade. Entretanto, parte da atenção dessas pessoas está focada em outras coisas, principalmente nessa crise atual.

Em como traçar cenários, como sair dessa crise e como se manter nessa crise também. Mas parte da atenção está desviada.

Para continuar oferecendo boas experiências aos clientes é preciso entender qual são as maiores preocupações das pessoas e fazer uma reflexão sobre como a Econodata consegue minimizar os impactos dessa crise para eles.

Guto Oliveira

Olhando para o nosso cenário atual e entendo que as empresas precisam trabalhar estratégias para atingir seus objetivos de venda, geração de leads e manutenção dos seus clientes, quais os principais pontos que você levantaria para ajudar nesse desafio?

Paulo Krieser

Nós da Econodata continuamos vendendo. Acho que o principal ponto é continuar a operação de venda. Tem menos empresas comprando, mas existem ainda quem está buscando e contratando a nossa solução.

A atividade econômica não parou, ela continua acontecendo, mas de forma menos intensa. O segundo ponto é você começar a se preparar!

Use esse “tempo de sobra” para estruturar as suas vendas no futuro, quando elas forem retomadas com força total. É o momento de olhar para dentro, para os seus processos, o seu funil de vendas, as suas prospecções, seus scripts de venda, a sua proposta comercial, etc.

Basicamente é o momento de otimizar esses processos e de fazer uma melhoria contínua. Uma vez que você consiga ser produtivo durante esse período, quando as vendas retomarem, você também voltará com força total e muito mais forte.

Guto Oliveira

Você acredita que esse momento é uma oportunidade para as empresas experimentarem novos canais de aquisição e se manterem abertos para adequarem seus processos atuais?

Paulo Krieser

É um momento complicado, mas que é possível testar novos canais. Porém, lembre-se que você está testando em uma condição muito específica.

Se o canal não funcionar, você não vai saber direito se ele não é mais adequado para a sua operação ou se ele não deu certo em função do coronavírus.

Então, dá para se testar novos canais para tentar expandir as vendas, mas é bom manter a consciência que a situação atual pode influenciar no seu resultado final.

Acredito que utilizar os canais atuais e melhorá-los, de forma a otimizar os seus processos, pode ser uma boa solução.

Guto Oliveira


Gostaria que você passasse uma mensagem final para todos sobre o assunto. Na sua opinião, qual é a responsabilidade das Empresas e Consumidores em reduzir os impactos dessa situação?

Paulo Krieser

Hoje nós estamos vivendo um Lockdown Horizontal, onde todos ficam trancados em casa (ou boa parte da população) para evitar a propagação do vírus.

Recentemente surgiu uma outra vertente que fala de Lockdown Vertifical, que você isola apenas os grupos de riscos como idosos, hipertensos, diabéticos, problemas respiratórios, entre outros. Enquanto isso, o resto da população sai para rua para trabalhar.

Mas por que surgiu essa outra vertente? 

Porque alguns economistas estão falando que o impacto econômico que essa crise vai gerar é realmente muito grande. Isso porque não ter bares, restaurantes, academias e diversos outros estabelecimentos funcionando com certeza vai causar um período de recessão.

Há uma uma discussão muito forte entre essas duas vertentes. Uma delas defende o isolamento total por um tempo muito grande e a outra defende o isolamento parcial que possa vir a ocorrer daqui 2, 3 ou 4 semanas.

Por isso eu acredito que a responsabilidade das empresas, nesse momento, é realmente manter os colaboradores trabalhando em casa por um tempo a ser definido.

Também acho importante informar o mercado, clientes e colaboradores sobre os procedimentos de higiene pessoal e em como se evitar propagação do COVID-19.

A responsabilidade dos consumidores é sair de casa o mínimo possível para que não sejam agentes de propagação do vírus.

Eu acho que os líderes de empresas devem discutir de forma aberta as melhores alternativas para essa crise. Assim, conseguiremos pensar juntos em como podemos sair dessa situação com o menor impacto possível, principalmente em número de vidas, que é a variável que deve ser realmente levada em consideração.

Essa foi a entrevista que o Paulo Krieser, CEO da Econodata, deu para o Guto Oliveira. A Kmaleon está com uma série de ações e conteúdos para mostrar os caminhos que a sua empresa pode adotar se inspirando nas ações de outros profissionais.

E saiba como contornar a crise do COVID-19

Receba outras entrevistas e dicas importantes para o seu negócio se inscrevendo na nossa Newsletter. É super simples, você preencha esse formulário abaixo e pronto, já está dentro do nosso grupo. 😉

Obrigada e até a próxima.

Leave a comment

O seu endereço de e-mail não será publicado.